Blog UPBE | Vitamina D X Depressão
589
post-template-default,single,single-post,postid-589,single-format-standard,qode-listing-1.0.1,qode-social-login-1.0,qode-news-1.0,qode-quick-links-1.0,qode-restaurant-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-12.0.1,qode-theme-bridge,bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.2,vc_responsive

Vitamina D X Depressão

Vitamina D X Depressão

Nos últimos anos cada vez mais surgem evidências do papel da vitamina D em diversos processos metabólicos e não somente na saúde óssea – há estudos relacionando a deficiência dessa vitamina a Alzheimer, austimo, transtorno de déficit de atenção, hiperatividade e deficiência cognitiva.

A vitamina D participa da modulação de mais de 2.000 genes diferentes e já há evidências do seu papel no sistema cardiovascular, imunológico (como no tratamento de esclerose múltipla) e na parte óssea.

Um estudo recente com aproximadamente 4.000 pessoas com mais de 50 anos que participaram do estudo TILDA (The Irish LongituDinal Study on Ageing). Os participantes foram acompanhados durante seis anos utilizando questionários padronizados para depressão e verificou-se que os indivíduos com deficiência de vitamina D tiveram risco 75% maior de desenvolver depressão. Os autores do estudo estimam que o desenvolvimento ou agravamento de quadros de depressão poderiam ser atenuados ou até mesmo evitados com níveis adequados de vitamina D.

Porém, antes de começar a suplementar vitamina D por conta própria, consulte seu médico. Ele poderá orientar sobre a melhor forma de manter seus níveis de vitamina D dentro do adequado.

Compartilhe
Sem comentários