Blog UPBE | Viva MAIS e MELHOR!
736
post-template-default,single,single-post,postid-736,single-format-standard,qode-listing-1.0.1,qode-social-login-1.0,qode-news-1.0,qode-quick-links-1.0,qode-restaurant-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-12.0.1,qode-theme-bridge,bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.2,vc_responsive

Viva MAIS e MELHOR!

Viva MAIS e MELHOR!

Dados comprovam, hoje e há mais de 400 anos, que uma dieta restrita em calorias pode reduzir o risco de uma doenças crônicas.

Estudos com certo tipo de macacos mostraram que eles tiveram níveis significativamente mais baixos de câncer, doenças cardíacas e resistência à insulina e que é bastante provável que os efeitos saudáveis da restrição calórica observada neles também sejam visíveis nos seres humanos.

A restrição de calorias não é a mesma coisa que passar fome. É uma redução de 30% na ingestão calórica normal sem sacrificar a nutrição. Você não precisa consumir mais de 30 a 40 gramas de carboidratos em qualquer refeição, pois isso vai gerar excesso de insulina, o que faz você ficar com fome e cansado ao baixar os níveis de glicose no sangue. O resultado desse excesso é que você fica constantemente com fome.

Uma dieta com restrição de calorias também é uma dieta anti-inflamatória. Isso significa que doenças crônicas com forte ligação inflamatória, como obesidade, diabetes, doença de Alzheimer, doenças cardíacas e câncer, para citar apenas alguns, podem ser prevenidas ou gerenciadas com um plano alimentar adequado.

Referências:
Mattison JA et al. “Caloric restriction improves health and survival of rhesus monkeys.” Nat Comm 8:1-12 (2017).
Sears B. The Zone. Regan Books. New York, NY (1995).
amdy O et al. “Long-term effect of intensive lifestyle intervention on cardiovascular risk factor in patients with diabetes in real-world practice: a 5-year longitudinal study.” BMJ Open Dia Res Care 5:e000259 (2017).

Compartilhe
Sem comentários